Building in hand businessmen

Há algum tempo, a tecnologia também vem tomando conta do mercado de maquetes. Recursos eletrônicos e programas de computação gráfica tornaram-se grandes aliados na criação de miniaturas dos empreendimentos. O resultado é uma sensação de realismo que deixa o projeto muito mais atraente aos olhos de clientes em potencial. Foi-se o tempo da simples contemplação. Na maquete do futuro, a grande meta é proporcionar uma experiência interativa.

Agora já é possível reproduzir situações do cotidiano de um condomínio residencial, por exemplo. Conduzir carros por meio de controle remoto, ligar uma miniatura de TV, iluminar todo o empreendimento clicando em uma tela touch screen… Todas essas possibilidades fazem com que o cliente simule a realidade, tendo então uma noção mais clara do que aquele projeto pode proporcionar para ele.

Como tática de vendas, é uma ação perfeita. A maquete moderna leva enorme vantagem sobre as simples fotos do empreendimento. É, clichê a parte, a “materialização de um sonho”. Por isso, quanto maior a riqueza de detalhes da miniatura, maior será o impacto sobre o potencial comprador. Alguns projetos, por exemplo, tem o cuidado de reproduzir o vapor de uma piscina aquecida ou criar a maquete com o material que será utilizado na obra.

Entretanto, a chamada “maquete interativa” talvez seja o que existe de mais moderno nesse segmento. Nela, o cliente tem a possibilidade de transitar virtualmente pelo empreendimento, entrar no imóvel e realizar ações cotidianas, como acender e apagar luzes, dirigir um carro, acessar o elevador, abrir portas… A simulação conta com som e narração, além de reproduzir a construção com alto nível de fidelidade.

Essa parece ser uma tendência que veio pra ficar. Todo cliente gosta de ter uma boa ideia de como ficará o imóvel que está comprando na planta. E ela por si só não satisfaz essa necessidade, pois ele não a compreende de fato. O uso da tecnologia, portanto, tem o poder de cativar o possível comprador, além de apresentar uma imagem mais moderna da imobiliária que desenvolveu o projeto.

Contando ou não com alta tecnologia em seu desenvolvimento, a verdade é que a maquete é uma forma de apresentação de projetos já há muito tempo estabelecida no país. Inicialmente utilizada na Europa no começo do século XX, chegou ao Brasil na década de 50 e foi se popularizando no mercado imobiliário até torna-se indispensável em fins do século passado.

E, agora, combinada com a tecnologia, ela se torna ainda mais importante na apresentação de projetos de novos empreendimentos.

Comentários

comentários